Kleber Machado ainda é uma figura viva entre as entidades da Barra da Tijuca. Menos de um mês após o seu falecimento, o fundador do Barralerta foi o grande homenageado da comemoração dos 35 anos da AMAR, Associação de Moradores e Amigos do Tijucamar e Jardim Oceânico. Líderes de associações, figuras do poder público, além de parentes e amigos compareceram para um café da manhã de confraternização e exaltação do legado deixado por Kleber.

Luiz Igrejas, presidente da AMAR, enumerou feitos de Kleber, como as benfeitorias para as 16ª e 42ª DP’s, inaugurações de posto de bombeiro, clínicas odontológicas, sua constante participação no cotidiano da região e suas contribuições na OAB: “por ai vocês podem ver o que foi a figura do Kleber Machado para todos nós. Como colega na OAB, sempre foi querido por lá. E hoje nós temos que nos orgulhar de morar na Barra, porque a OAB Barra tem cerca de 11 mil filiados, é a maior sazonal do Brasil”.

Delair Dumbrosck, presidente da Câmara Comunitária da Barra (CCBT), aproveitou para falar da grande responsabilidade que Mauro Guimarães, novo presidente do Barralerta, assume daqui para frente: “o espírito do Kleber jamais deixará o Barralerta. Ele viveu isso aqui todos os momentos. Nós conversávamos quatro vezes por semana. Quando eu deixava de ligar um dia, ele me dava bronca. Eu não diria que vou substitui-lo, porque não há substituto para o Kleber Machado, mas eu vou lutar para o Barralerta continuar vivo”.

Diretor do Jornal da Barra, Claudio Magnavita acompanhou Kleber Machado em muitos eventos lhe dando carona e sendo ouvinte de muitas histórias: “foi um privilegio ouvir os depoimentos que ele me dava. Uma das últimas vezes,  voltávamos juntos pela orla do Recreio e ele me contava que tinha plantado as primeiras árvores da região. E aquelas amendoeiras hoje grandiosas, estão como um testemunho de um legado visível desse grande homem apaixonado por nossa região. Essas pessoas especiais vêm à Terra com uma missão. Aqui nós todos somos turistas, estamos todos de passagem, o importante é a qualidade dessa viagem. E ele tem a qualidade de acreditar em tudo que fazia”.

Muito emocionada, Kátia Machado, filha de Kleber, não deixou que as lágrimas atrapalhassem seu discurso em homenagem ao pai: “eu não só ouvi as histórias sobre ele, como também vivi. Meu pai me trouxe para a Barra na década de 50 e nós a explorávamos a pé e de carro. Muitas das árvores que enfeitam a Barra eu plantei com ele e isso trouxe para a nossa família e disseminou pela comunidade três sentidos importantes da vida dele: união, porque ele trabalhou sempre na agregação; cidadania, porque o mundo que temos somos nós que construímos e integridade, que sem ela não conseguiremos levar o mundo para frente”.