0
0
0
s2smodern

Por Marcelo Perillier

Homem que fez história com a camisa do Bangu e em clubes pequenos do Rio, como Olaria e Madureira, onde foi autor do gol da primeira vitória de Renato Gaúcho como treinador, Edilson Pereira Correa é uma aposta de confiança do Prefeito Marcelo Crivella à frente da nova Superintendência de Recreio, Vargens, Camorim e Grumari. Nessa entrevista, ele relata um pouco sua história de vida, sua carreira política e sua relação com o Recreio, bairro que admira bastante viver.

Jornal da Barra: Como era sua vida antes de assumir a Superintendência?

Edilson Correa: Sou um morador da Zona Oeste. Fui criado em Campo Grande e sou ex-jogador de futebol. Iniciei carreira aos 10 anos, no Bangu. E o esporte me ensinou muitas coisas, a primeira delas foi a dedicação, a maturidade, a gente fica maduro muito rápido, pois a rapidez que temos que temos que resolver as coisas, sem ninguém , pois é você com você mesmo. Então o profissionalismo esportivo faz com que a gente cresça. Aos 16 estreei no profissional e fiquei no Bangu até os 24. Joguei no Madureira, no Rio Claro de São Paulo, no Tombense e Ipiranga de Minas Gerais, no River do Piauí e na Grécia. Encerrei carreira no Olaria, aos 30.

Jornal da Barra: Por que resolveu se aposentar cedo?

Edilson Correa: Quando fui para Grécia já tinha começado um trabalho político e social em Campo Grande, com crianças de comunidades locais. Quando voltei para o Brasil vim com isso na cabeça e então conheci minha namorada, que hoje é minha esposa, e comecei a pensar em ter uma família. Não queria mais jogar, pois minha cabeça não estava voltada para o futebol e sim para a parte social.

Jornal da Barra: Quando você ingressou na política?

Edilson Correa: Conheci o meio político há 12 anos. Namorava minha esposa e iniciamos um trabalho em igrejas, conhecendo pastores e fui me encaixando. Fiz trabalho esportivo na Mangueira, no Vidigal e depois fui convidado pela deputada Beatriz Santos, de São Gonçalo, para trabalhar com ela aqui no Rio. O presidente do PRB na época, Victor Paulo, me convidou para filiar ao partido. Meu trabalho sempre foi vinculado a coordenação e gestão no PRB. Não tenho essa visão política de ser vereador ou deputado, mas trabalhar para os outros, na gestão, está no sangue. Depois fui para a coordenação do partido, viaja pelos municípios e até o Prefeito me chamar e fazer um trabalho para ele aqui na Superintendência do Recreio.

Jornal da Barra: Ser morador do bairro colaborou para ser nomeado Superintendente?

Edilson Correa: Com certeza. Sou um homem de confiança do Prefeito e do partido. Quer alguém conhecedor da causa, do bairro, do que pode fazer, das necessidades. Isso influenciou muito. Não tenho pretensão de ser candidato. Eu me acho capaz e de render muito mais naquilo que faço. Juntou o útil ao agradável e vou fazer o melhor possível para a melhora do bairro.

Jornal da Barra: Quando você mudou para o Recreio?

Edilson Correa: Eu morava em Campo Grande, mas vivia mais aqui no Recreio do que lá. Mas eu e minha esposa nos identificamos muito com aqui, pois nossos médicos, compras, passeios, tudo era aqui, na Barra e Recreio. Tudo colaborava para a gente vir para a região. Os pais dela faleceram, ela ficou sem chão, e chegou a hora de virmos. Estamos aqui há dois anos.

Jornal da Barra: Como você avalia o dia a dia no Recreio?

Edilson Correa: Eu avalio o Recreio como um dos melhores lugares para se morar. Porque tem varias atividades culturais, esportivas, gastronomia farta, tem vários lugares para curtir a noite. Então, para todas as pessoas que têm gostos diferenciados, o Recreio é o melhor lugar para se morar. Só que tem que tratar da segurança, que já é outro caso.

Jornal da Barra: Como foi a primeira impressão com a Superintendência da Barra e com os moradores?

Edilson Correa: Eu tenho maior admiração pelo Azaury, conversamos, me tratou super bem, me deu boas vindas. Não tem nenhum tipo de mau estar entre eu e ele. Estive no coquetel de 39 anos da Amor, eu vi o carinho por todos por ele. Mas o pensamento dos moradores está mudando com relação à divisão. Porque a primeira impressão é que vem um político, que isso viraria um curral eleitoral. Mas o Crivella colocou um gestor, um morador, para dar ordem nesse entorno de Vargens e Recreio. Eu estou vendo a população sendo bem receptiva comigo e com a minha equipe. Estou bem motivado.

Jornal da Barra: Quais as maiores demandas dos moradores?

Edilson Correa: As demandas maiores dos moradores são de eventos para serem aprovados. Eu os vejo como algo positivo. Nós temos que analisar caso a caso. Eu vejo o uso da orla para eventos culturais e esportivos como algo positivo. E as outras são as podas de árvores, limpeza nas ruas e em terrenos. Se a gente conseguir dominar esses pedidos, vamos dar um avanço muito grande. Acabando eles num curto espaço de tempo, podemos pensar em outras propostas. Vou usar muito as associações de moradores para saber o que a população precisa. Na reunião da Amor solicitaram uma Clínica da Família. E já comecei a trabalhar sobre isso.

Jornal da Barra: Uma mensagem para os leitores do Jornal

Edilson Correa: A população pode esperar muito empenho, determinação minha e de toda a equipe. Vamos mostrar porque fomos escolhidos. Estou empenhado e gostando muito dessa nova oportunidade de trabalhar para com o meu bairro e o Prefeito pôs uma pessoa de confiança. Espero que a população fique satisfeita com os nossos resultados.

 

Comunidade

CDD é o segundo local com mais tiroteio no Rio

A Região Metropolitana do Rio registrou 5 mil tiroteios em 2018, uma média de 25 casos por dia. As regiões mais afetadas foram a Praça Seca, com 211 registros, Cidade de Deus com 167, Vila Kennedy com 151, Complexo do Alemão com 118 e Rocinha com 111. Os dados são da plataforma de mapeamento Fogo Cruzado.