Desde o dia 12 de junho de 1992, quando foi fundada, a Câmara Comunitária da Barra da Tijuca (CCBT) realiza ações em prol da região. Desde a retirada de uma pequena comunidade no Via Parque até conversas sobre a Linha 4 do metrô, passando por eventos públicos com presença de políticos, a CCBT colaborou bastante para o crescimento do bairro. E no último dia 13, no auditório da Câmara, foi lançado um livro contando os detalhes de cada uma delas.

Câmara Comunitária da Barra lança livro em homenagem aos 25 anosA cerimônia contou com a presença de ilustres convidados e de empresas que contribuíram, ao longo destes 25 anos, para o crescimento da Barra. Carlos Felipe Carvalho Hosken, vice-presidente da Carvalho Hosken, representou a empresa na solenidade.

- Estou muito orgulhoso em poder falar aqui em nome da empresa, do doutor Carlos, da família e pedir para o Delair continuar nessa luta à frente dos problemas da região, para fazer com tudo aconteça. Porque é um trabalho desprendido, de coração e sente, desde o canto do coral, a energia desse local, para fazer as coisas acontecerem – disse Carlos Felipe.

Wagner Victer, ex-presidente da CEDAE, relembrou dos momentos de construção de uma das principais obras do bairro: o emissário submarino.

- Diversas vezes estive ocupando esta mesa em debates profundos em relação ao saneamento da Barra. O meu primeiro contato com o Delair foi de mútua desconfiança. Eu da câmara e ele do projeto. Acho que conseguimos construir um trabalho interessante, que foi o emissário, um sonho dessa região. Conseguimos colocar a estação de tratamento em funcionamento com 22 elevatórias. Então hoje, a cobertura de esgoto da Barra da Tijuca tem tratamento adequado – recorda Wagner.

O vereador Carlo Caiado entregou uma moção da Câmara para Delair, por todo o esforço dele para fazer da CCBT um órgão respeitado no legislativo.

- Sinto-me muito honrado por estar aqui e falar que a Câmara Comunitária tem história, principalmente para o poder público, porque sempre teve um papel fundamental em reunir e buscar os objetivos da sociedade. Recordo, por exemplo, nossa ida à Brasília, as lutas na Câmara Municipal, mas não poderia deixar de passar em branco uma homenagem, uma moção de louvor em nome do presidente, mas que se refere a todos daqui – disse Carlo.