Cristina Camargo (Folhapress)

O instrutor de surf Matheus Ribeiro, 22, jovem negro que revelou ter sofrido uma falsa acusação de furto de uma bicicleta elétrica no Leblon, zona sul do Rio de Janeiro, quer que o caso sirva de exemplo para que outras vítimas denunciem atos de racismo.

"Isso não é um problema pessoal. É um problema que está enraizado na sociedade", disse o instrutor em entrevista ao RJ2 (Globo), nesta terça-feira (15).
Matheus esperava a namorada em frente a um shopping, no sábado (12), Dia dos Namorados, quando um casal formado por dois jovens brancos o acusou de ter pego a bicicleta da moça.

Segundo o instrutor de surf, apesar de mostrar fotos antigas em que aparece com a bicicleta, que é dele, o jovem que fez a acusação pegou o cadeado, tentou abrir e, ao não conseguir, percebeu o engano e disse que estava apenas perguntando, sem fazer acusação. Ribeiro publicou um vídeo da parte final da conversa nas redes sociais e o caso ganhou grande repercussão.

Para ele, é importante que outras histórias também tenham destaque. "Eu não quero dar ênfase só para o meu caso", afirmou. "Toda vez que acontecer isso com algum negro, que ele se sinta forte o suficiente para denunciar, para botar a cara, para mostrar e falar que isso não é certo. A gente não vai aceitar isso".

Nascido no complexo da Maré, na zona norte carioca, Ribeiro estuda educação física em uma universidade particular. Ele passa a maior parte da semana em Copacabana, na casa da namorada.

A situação vivida pelo instrutor de surf motivou várias reações, como a da deputada federal Talíria Petrone (PSOL-RJ). "Preto pode ter o mesmo que você, se liga racista", ela disse. "O racismo obriga o negro a viver preparado para o pior, sempre tendo que se explicar. É revoltante ser sempre o suspeito aos olhos dos racistas", afirmou o deputado federal Orlando Silva (PC do B).

O instrutor registrou um boletim de ocorrência sobre a falsa acusação e o caso é investigado pelo 14º Distrito Policial.

Em maio, o youtuber Filipe Ferreira, também um jovem negro, foi abordado pela Polícia Militar de Goiás enquanto gravava um de seus vídeos sobre treinos e manobras na bicicleta.
Com a arma em punho, um dos policiais mandou ele descer da bicicleta, sem nenhum motivo aparente. O ciclista questionou e obteve como resposta gritos e uma arma apontada para ele.

Nas redes sociais, Filipe disse não ter entendido o motivo da abordagem aos gritos e com a arma voltada para ele. "Fiquei me perguntando se eles me abordaram por conta da minha pele ou se realmente tinha feito algo", escreveu.

Redação

Há mais de um ano, o cavaquinho, o pandeiro e outros instrumentos estão guardados. Junto com a aceleração da vacinação contra a Covid-19 no Rio, cresce a expectativa do grupo Chegando de Surpresa, da Comlurb, de voltar a se apresentar pela ruas da cidade. São dez garis que promovem, com muita animação e samba no pé, a conscientização sobre o descarte correto de resíduos.

Eles paralisaram a batucada para não causar aglomeração. A ansiedade para o retorno é grande.

– Quando passar a pandemia, vamos vir com todo o gás para levar um pouco de alegria e falar sobre o meio ambiente para a população com músicas novas – disse a gari Denilce Silva Soares, funcionária da Comlurb há 20 anos e integrante do grupo há 16.

O exemplo de consciência ambiental vem dos próprios músicos. O cavaquinho e o pandeiro foram encontrados no lixo e recuperados. Há também instrumentos reciclados, como o carrilhão, feito com anel das latas de refrigerantes e cervejas, e o chocalho, com tampinhas de bebidas.

Desde outubro de 2001, o Chegando de Surpresa desenvolve um trabalho alegre e inovador, ensinando a população a não jogar papel e lixo no chão e a conservar ruas, calçadas, praias e canteiros limpos. Sempre com samba e dança. As mais de dez músicas são criações próprias.

Juntos, os dez componentes fazem apresentações descontraídas, seja durante operações especiais da Comlurb, em palestras em escolas municipais, em eventos na praia durante o verão ou em agendas de outros órgãos da Prefeitura.

Redação

O prefeito Eduardo Paes visitou bairros da Zona Oeste neste domingo (13/06) para ouvir as necessidades de moradores e informar que equipes de secretarias e órgãos públicos irão verificar as demandas e programar serviços como instalação de iluminação em LED, troca de lâmpadas queimadas em postes de luz, limpeza de áreas públicas e podas de árvores.

Equipes das secretarias municipais de Conservação e Meio Ambiente e de órgãos como Comlurb e Rioluz acompanharam o prefeito e verificaram de perto os pedidos de moradores dos bairros de Campo Grande e Senador Camará.

Paes ressaltou que a Prefeitura tem feito um grande esforço em relação às contas públicas e, com isso, já foi possível equilibrar as finanças do município.

– Estamos fazendo um esforço grande nesse primeiro semestre e já equilibramos as finanças da Prefeitura, o importante é isso. Vamos conseguir cumprir com as obrigações com os nossos fornecedores, com os nossos prestadores de serviço e recuperar a capacidade de investimento do município – disse Paes.

Durante esta manhã na Zona Oeste, Paes também visitou a sede do Campo Grande Atlético Clube, que comemora 81 anos. Ele foi recebido pelos dirigentes e por atletas da agremiação  esportiva, vencedora da Série B do Campeonato Brasileiro em 1982 e que tem grande importância social para a região.