Fone: (21) 2042-2955 -  redacao@jornaldabarra.com.br

Pin It

De origem humilde à construção de um império. Essa é a história de vida de Leandro Souza, o dono da rede de restaurantes Espetto Carioca, famoso estabelecimento que oferece requintados espetinhos e de alta gastronomia. Espalhado em diversos cantos do Rio e se expandindo para todo o Brasil, Leandro falou sobre a sua trajetória de vida, de momentos que passou e ressaltou a importância da Barra da Tijuca para o sucesso do seu empreendedorismo.

Confira na íntegra a entrevista:

O JORNAL DA BARRA vai conversar hoje (19) com Leandro Souza, um jovem empreendedor. Nós vamos mostrar como é possível, na nossa região, surgir empreendimentos de uma dimensão nacional e que tomam uma dimensão nacional a partir da semente Barra e Recreio.

Leandro Souza tem 36 anos, um jovem que vai ser pai agora. Mas ele já é “pai” de 34 lojas já inauguradas e funcionando. Ele é o dono do Espetto Carioca. Estamos realizando esta entrevista no New York City Center, onde ele inaugurou o mais novo trabalho dele, uma loja que tem como sócio o Marcelo e mais outros dois empreendedores. Estivemos aqui na inauguração, e a loja é emblemática por estar no cartão postal aqui do Rio e da nossa Barra.

Leandro, vamos falar sobre a sua trajetória: 36 anos de idade; dono de uma rede, de uma franquia;  você traz o glamour a uma coisa que era típica no Rio que é o espetinho; você transforma o Espetto Carioca uma referência nacional e até internacional, pois você está fazendo um caminho indo para os Estados Unidos.

Me fala sobre sua trajetória, como é que é você enxergar o sucesso do Espetto carioca e dessa sua veia de empreendedor.

Essa foi a grande sacada: a gente tirar o churrasquinho de rua e trazer para um ambiente sofisticado, despojado e agradável, servindo um produto de qualidade. A gente tinha aquela mística de “espeto de gato”, o espetinho de rua... Temos hoje aqui mais de 30 opções de espetos, de jacaré, avestruz, javalis, filé mignon e picanha, enfim, a grande sacada foi tirar essa coisa da rua e levar para esse ambiente despojado.

Hoje, graças a Deus, estamos tomando o Brasil por aí.

A sua primeira loja surgiu aonde?

Foi na Barra! No Barra Sul, um condomínio onde moram mais de 20 mil pessoas. Então nossa ideia foi essa, o chopp com o churrasco, onde iríamos sofisticar e “meter bala”.

Quando é que surge a ideia de franquear e de expandir a rede?

Então, eu morava fora do país. Morei oito anos nos Estados Unidos. Acabei voltando com aquela crise mundial de 2008.  Sou nascido em Anchieta, vim morar no Recreio com 12 anos de idade, inclusive entreguei jornal na região, já trabalhei de office boy, estagiário de marketing, aí eu tive a oportunidade de morar fora. Fiz um curso de piloto de avião, mas antes já havia feito de tudo. Por conta da crise mundial, em 2009 eu perdi o emprego como piloto e, por conta da aproximação com a Copa do Mundo, a aviação brasileira estava bombando, o mercado estava aquecido, e sendo assim, resolvi voltar para o Brasil.

Eu iria trabalhar para a TAM, quando veio a sacada de abrir um negócio. Acabei não conseguindo conciliar esses dois lados, e então eu escolhi viver com o Espetto Carioca.

É verdade que você inicialmente quando pensou em empreender, teve a ideia de fazer algo voltado para a culinária mexicana?

Como eu fui vallet de restaurante mexicano lá fora, fiz amizade com o dono. Aí a ideia era voltar a ser piloto e montar um restaurante mexicano. Essa ideia não foi muito à frente, e surgiu a questão de levar o espetinho de rua para a loja. Não me arrependo, graças a Deus foi o melhor caminho

 

Agora, me fala como é a transformação de um empresário. É muito importante a gente compartilhar isso de forma didática, por que muita gente tem um negócio e não sabe que tem uma mina de ouro que pode expandir. De onde veio o “click” de sua expansão?

O “click” foi os próprios amigos. A terceira loja, que foi o Espetto Recreio, foi um grande sucesso, e os amigos começaram a virar sócios. E foi aí que pensei que poderia procurar uma consultoria e montar uma franquia, e hoje possuímos mais de 30 lojas. Acabamos comprando o Bendito, que também é uma franquia. E tem mais uma marca vindo por aí, se Deus quiser. Não posso falar qual é ainda (Risos).

E sobre a assessoria? Você acaba contratando uma consultoria. Me fala sobre isso.

Nós ganhamos experiência com Bar, vindo de três anos com esses três bares. Aí faltava experiência em franquear. A gente pegou ajuda de uma parceira, essa empresa ficou um ano e meio estudando o nosso negócio junto com a gente, detalhando tudo e preparando para franquear. Então em 2013 começamos a franquear.

Você introduziu nessa loja e deu um upgrade no serviço dos seus produtos.

Estamos mudando o posicionamento da marca. Estamos sempre mudando e fazendo coisas novas. Para a mudança de cardápio, foram seis meses de estudo. Mudar cardápio não é só mudar o Layout, é realmente entender o que tem de tendência no mercado. Nós voltamos com produtos veganos, sanduíches que nós não tínhamos na rede, vem o hamburguer aí para o final do ano, então estamos sempre ligados nas tendências do mercado e buscando sempre o melhor para o nosso cliente.

O que significa essa loja, aqui no New York City Center?

Ah, eu sou morador da Barra, sou fã do shopping, frequento o cinema daqui há bastante tempo, então a gente estava querendo ser parceiro da Multiplan. Para mim, é um motivo de grande felicidade. Essa loja ficou linda. A inauguração foi um sucesso. Graças a Deus, já temos cinco lojas só aqui na Barra.

E é um negócio que nasceu aqui.

Sim, e é muito bem aceita na região. Aqui temos no Barra Sul, Barra Mall, New York, Península, Olegário Maciel... Tem uma vindo para o Rio 2. A Barra da Tijuca tá no sangue do Espetto.

O que significa a Barra para você? Qual a sua relação com ela? Depois de ter morado nos estados Unidos, você vê algo parecido no life style da região em relação aos americanos?

Temos coisas parecidas sim, as pessoas perguntam hoje: ‘po, vai pra zona sul?’, nós temos três lojas lá, o nosso foco agora vai partir para lá, mas eu sou apaixonado pela Barra, sou praticamente criado aqui, a facilidade de pegar o seu carro e ir para os lugares... e a zona sul, como é muito agitada, não é muito a minha praia.

Como você espera que o Espetto Carioca esteja daqui a cinco anos?

A gente quer levar a marca para Portugal e para os Estados Unidos. O meu sócio deve morar lá para tocar esse projeto. Particularmente eu sou louco pelo Rio e pelo Brasil e, independentemente dos problemas políticos que enfrentamos, eu acredito muito no Rio e vou continuar empreendendo aqui. O Rio é o meu lugar.

Nós estamos falando de um grupo com mais de 30 lojas. Quantos empregos diretos você proporciona em toda a sua rede?

Com as duas marcas hoje, a gente tem mais de 1000 pessoas trabalhando.

Mais de 1000 empregos diretos gerados por um jovem de 36 anos... Agora, você vai montar um frigorífico em São Paulo, onde terá uma operação de abastecimento para a sua rede, certo?

Sim. Por que São Paulo? Abrimos uma loja em Salvador, vai abrir mês que vem em Itabuna, em Juazeiro do Norte, Porto Alegre... Então, em São Paulo, fica mais fácil o acesso de distribuição para essas cidades. A escolha foi uma estratégia adotada.

Vamos falar sobre a sua origem familiar. Me fala dos seus pais. Hoje você conseguiu dar uma casa própria para eles, não é?

O meu maior sonho foi em ter dado uma casa para eles. Meus pais são os meus maiores ídolos. O meu pai era porteiro de prédio, por isso ele morava no Recreio, e tive oportunidade de conhecer pessoas com culturas diferentes, de trabalhar na região, de conhecer pessoas que me ajudaram a morar fora.

Você trabalhou em dois veículos, né?

Trabalhei no Tipo Carioca, no Ultilitar...

Você distribuía o Carioca...

Sim, trabalhei de office boy no Ultilitar, fiz estágio em marketing lá. Sou muito grato a essas pessoas, elas estão na minha história de vida, vou ficar grato para sempre, porque são pessoas que caminharam na minha história.

Quando você sente realmente... “o meu negócio é esse, acertei no bilhar, faço algo que vale ouro?”

Isso nasce muito na veia... Os meus sócios são o Bruno Gorodith e o Rômulo Gonçalves. São dois amigos, dois irmãos que vieram para somar e junto com eles uma equipe, que sem eles eu não seria nada, e a gente conseguiu montar isso aí, e agora vem o Benedito, mais uma empresa por aí, não vamos parar de vender não. A gente não para!

Além desse upgrade que você está dando, você também está trabalhando a questão dos uniformes. Mudou tudo, né?

Sim, os uniformes vieram da primeira mudança, vem uma segunda mudança para o final do ano. O layout foi mudado há pouco tempo também, está acontecendo já o retrofit nas lojas mais antigas e até o meio do ano que vem, todas as lojas do Espetto terão o retrofit novo. As lojas de fora do estado já estão todas com o modelo novo também. Estamos em frequente mudança.

E ser pai? É o primeiro filho, né? Fala sobre a sua esposa.

Eu tenho trinta e poucos filhos, que são os Espettos Cariocas, porque eu durmo e acordo pensando nisso, mas ter minha filhinha... Minha esposa é a Tayana, e tem a Julia, minha filha, que chega em novembro, se Deus quiser.

Eu estou super ansioso, sempre foi meu sonho. Meu maior sonho era dar casa aos meus pais e hoje eles estão aposentados, tranquilos e bem. Meu segundo meu maior sonho foi ver o Espetto em todo o Brasil e o maior sonho de todos é ser pai, estou super ansioso e eu não vejo a hora.

Estamos chegando ao final da entrevista, e eu gostaria que você desse os seus mandamentos para o sucesso. É importante a gente compartilhar com o leitor. A Barra é uma terra de grandes negócios, um berço de oportunidades. E quando falamos Barra, nos referimos a grande Barra, que é Recreio, Barra e Jacarepaguá. Me dê algumas dicas que você coloca como cartilha, para compartilhar com os empreendedores da nossa região.

Primeiro eu vou defender a Barra da Tijuca porque o morador daqui é muito bairrista

Barrista! (risos)

Exatamente! O pessoal valoriza muito o comercio local. Primeiramente tem que ter persistência, acreditar em você. Eu sou um cara que veio de Anchieta (Zona Norte do Rio), de uma família humilde, meu caso está, infelizmente, entre um e um milhão. O que a gente faz não é só dinheiro, a gente pensa em deixar um legado também, um exemplo para outras pessoas. Eu fico muito feliz, mudei até meu estilo de vida em relação a minha imagem, porque as pessoas me procuram muito através das redes sociais, pessoas que se espelham em mim e a gente nem sabe o quanto representamos na vida das pessoas e isso mexe muito comigo, então é muito gratificante.

É importante acreditar na gente, no nosso potencial, acreditar que a gente pode ter uma vida diferente sim, nos nossos sonhos, ter persistência, estudar e estar ligados a novas coisas.

Saber mudar, né? Você já estava brevetado...

Sim, saber mudar. Eu fiz um curso lá fora, escolhi o melhor curso. Voltei para o Brasil com um sistema que nem existia aqui ainda, sempre fiz o meu melhor, tenho muito orgulho em falar isso.

Você comeu o pão que o diabo amassou, né. Já dividiu quarto com oito pessoas.

Entreguei pizza, fiz faxina... mas aí que está o detalhe... tudo que fiz na minha vida, eu tenho prêmio, como melhor pizzaiolo, melhor driveeu não era só driver. Por que? Porque eu não era só driver. O meu papel era entregar a pizza, mas eu aprendi a fazer a pizza, a gerenciar a loja a limpar o chão... então eu ganhei prêmio por isso.

Lá fora, quando eu trabalhava na Varig, quando, infelizmente faliu, eu trabalhava no que é a Latam hoje, e com três meses eu virei supervisor. Eu me orgulho muito de falar isso.

Você estava aonde nessa época?

Em Los Angeles. Acho que a minha vontade não fica só em mim, e eu passo isso para minha equipe hoje, para não ficar só no seu.

E isso também para a rede franqueada, né? Gostaria até compartilhar que você teve a oportunidade de colocar uma grana pesada no bolso e reverteu isso em vantagem para os franqueados, que foi a questão da Heineken, que você tinha um contrato, mas que você transferiu para o consumidor e para o franqueado essa vantagem.

O nosso pensamento é muito a longo prazo. É importante termos contratos com as cervejarias, mas a gente repassou isso para os franqueados de qual forma? Preço. Hoje temos o melhor preço do Brasil. Não só com a Heineken. A gente busca favorecer o franqueado, gerir a loja e fazer o negócio crescer. Nosso pensamento é esse.

Eu gostaria de finalizar com a sua relação com a Barra da Tijuca, a sua gratidão com a Barra. A Barra tem um componente que leva as coisas aqui florescerem e virarem um modelo mundial, né?

A minha primeira loja foi na Barra e isso tem 10 anos. A Barra tem algo diferente que o povo aqui é ‘barrista’. O povo valoriza o comércio local. O brasileiro tem essa cultura de julgar muito, criticar muito, e na Barra você tem esse acolhimento.

E como você vê um grande jornal local. O Jornal da Barra você conheceu na fase inicial e hoje com 30 anos de existência com esse espaço, sendo um grande porta-voz da Barra?

Para mim é um grande prazer hoje ser entrevistado por você aqui hoje. Como falei, meu negócio começou aqui, a maior parte do negócio foi na Barra da Tijuca, são seis lojas aqui. É um prazer imenso ser entrevistado por vocês.

Gostaria de deixar em aberto aqui, porque você fala para a rede social, você fala para o mundo inteiro. Quem estiver interessado em ser franqueado, aderir a esse projeto, o que deve fazer?

www.espettocarioca.com.br, dê uma olhadinha no site, e o Antônio, nosso gerente de expansão vai ajudar você.

Muito obrigado e parabéns pelo sucesso. Tivemos a oportunidade de mostrar para o Brasil inteiro esse exemplo de sucesso 100% nascido na Barra.

Obrigado, querido.