TCB não terá etapa clássica no Rio por cobrança alta e não prevista por parte do gestores do Parque Olímpico

O CrossFit passou de uma simples mobilidade de treinamento para um esporte. A cada ano ele cresce mais no Brasil, o que rendeu ao país ser o segundo maior do mundo em número de academias de CrossFit. O Rio de Janeiro é um dos estados que também possui muitas academias e uma representatividade grande para o esporte. Na Barra, o Parque Olímpico sempre foi o cenário de boas competições, tais como o Rio Carioca Games e uma das etapas do TCB, maior torneio brasileiro do esporte, que aliás tem como a grande campeã desse ano, a carioca Natália Mencari.

Ambas as competições são responsáveis por mexer em boa parte do turismo da região, uma vez que muitos atletas vem de outros pontos do estado e de cidades vizinhas para participar dos eventos, dessa forma, ocupando quartos de hotéis, frequentando restaurantes da região, entre outras atividades que aquecem a economia local. Contudo, uma notícia entristeceu os amantes do esporte, pois para 2020, o maior evento nacional não poderá fazer sua famosa etapa no Rio. “Na realidade a gente não optou por não fazer, como muitos pensam. Para o TCB é péssimo não termos uma seletiva no Rio. Mas tentamos até ontem (11), 19h, uma última cartada com Macaé para tentarmos deixar a seletiva no estado. O fato é que o Parque Olímpico não é mais gerido pela autarquia AGLO. Agora é pelo Ministério da Cidadania lá em Brasília, pelo Coronel Araujo. No Rio o responsável é o Fábio Tenório, ele que passou a informação de que o evento estaria tudo certo, mas logo após disse que teria uma cobrança de R$ 28.000,00”, explicou Thales Antoniolli, um dos criadores do evento, para o site de notícias especializado em CrossFit, HORA DO BURPEE.

Antoniolli ainda explicou que inicialmente, Tenório havia dado quase certeza de que o evento aconteceria dentro da Arena Carioca: “quando falei com ele, me garantiu que estava 99% certo de que o evento iria acontecer. Quando eu pedi para ele formalizar esse fato, foi que ele apareceu com essa cobrança do nada”. Porém, um surpresa desagradável piorou a possibilidade de realizar o evento: “quando eu pedi para ele (Fábio Tenório) emitir a guia para o pagamento, ele disse que havia se confundido com os valores e passou o novo valor de R$98.000,00”.

O evento vinha sendo realizado sem cobranças por parte do Parque Olímpico, dessa maneira, possibilitando que o evento não cobra-se entrada e nem estacionamento de quem fosse acompanhar o evento, fosse um amante do esporte ou um curioso para entender como funciona o esporte. Para conseguir viabilizar a etapa Rio, os criadores teriam de passar a cobrar ingressos e estacionamento, o que iria de encontro com a ideia do TCB: “fazendo isso perdemos a essência que o evento tem de ser aberto ao público, de poder ter o estacionamento gratuito como tivemos esse ano no Rio”.

Compartilhe