O Flamengo foi o primeiro dos grandes a chegar à nossa região. Ainda em 1984 adquiriu o terreno em Vargem Grande, batizado de Centro de Treinamento George Helal (presidente do clube na época), mas popularmente chamado de Ninho do Urubu. Com constantes obras, o lugar se modernizou nos últimos anos e promete ser o “melhor da América Latina” até outubro. É o que garante Alexandre Wrobel, vice-presidente de patrimônio do clube. Isso porque a atual estrutura que hoje é usada pelos profissionais ficará para as categorias de base e as novas instalações, mais modernas, serão utilizadas pela equipe principal.

Para revolucionar o Ninho do Urubu, Wrobel visitou seis centros de treinamento na Europa e mais sete no Brasil: “é uma obra monumental, conheço vários CT’s dentro e fora do país e, sinceramente, sem querer depreciar ninguém, não conheço nada parecido. Para a base, passa a ser referência. E para a equipe profissional, nem se fala. O nível é mundial”. Tanto que o local pode até receber alguma seleção durante a Copa América 2019, que será aqui no Rio.

Inicialmente a atual estrutura permaneceria com os profissionais, mas graças a um sucesso financeiro, o clube resolveu pensar mais alto: “o projeto começou a ser realizado em 2007, mas entendemos que poderíamos fazer algo a mais. Pensamos em dar essa estrutura para as divisões de base e algo de outro mundo para os profissionais”, diz Wrobel.

Os avanços no Ninho do Urubu foram tantos que jogadores do atual elenco que já jogaram no clube em tempos passados, como o zagueiro Juan, ficaram espantados com a transformação: “o Flamengo tinha a fama de não ter uma boa estrutura, mas agora isso mudou. Jogadores que vieram da Europa chegam aqui e ficam impressionados”, revela o dirigente.

A aposta do Flamengo é o conforto de um hotel cinco estrelas com instalações esportivas que contam com seis campos, sendo um de grama sintética, piscinas térmicas, academias e um departamento médico de primeira linha. Tudo num espaço de 133.793 metros quadrados.