Fone: (21) 2042-2955 -  redacao@jornaldabarra.com.br

Pin It

Por Danilo Freitas

Sobreposto por um lugar digno de moradia e confortável ao bem estar social, muitas pessoas veem a região do Recreio dos Bandeirantes como um refúgio tropical em meio a uma grande metrópole que é o Rio de Janeiro. Como toda grande cidade tem seus problemas, esta extensa região enfrenta as consequências de uma disfunção urbanística primária e até mesmo cultural.

Alguns dos cenários naturais que compõe a região [bairral] - é o complexo de lagoas de Jacarepaguá, composta pelas lagoas: Tijuca, Jacarepaguá, Marapendi e Camorim. Uma das correntes que desaguam nestas grandes bacias hidrográficas é o famoso canal das Taxas, que corta uma boa parte do Recreio e com ele gerando um terrível problema de poluição do espelho d’água. De concretos e bons costumes, os únicos despejos que deveriam ser feitos no canal eram as saídas de águas pluviais, porém, nele são recebidos os esgotos de todas as naturezas e origens; comércio e grandes condomínios empresariais e residenciais que existem ao seu entorno, logo, o que era para ser um bem da natureza é um tormento devido aos efeitos colaterais e não suportáveis, por tamanha e devida falta de educação ambiental.

“Hoje, o canal está morto... Apesar de ter Jacarés nadando lá! Consequência dos nutrientes que é recebido através do esgoto, atraindo a vegetação de gigogas e por suas vezes atraí os mosquitos fazendo com que ocorra uma grande proliferação desses insetos na região. Nós da Câmara Comunitária corremos atrás dos órgãos competentes para solucionar este problema, mas sempre acontece um jogo de empurra entre a Prefeitura e a Cedae alegando que neste momento poderiam resolver com a privatização do sistema de esgoto, e aí a nada acontece” Afirma William Nogueira, presidente da Câmara Comunitária de Recreio e Vargens.

O que deveria ser um exemplo de respeito ao ecossistema nem sempre é gerido de forma adequada e eficaz, as estações para tratamento de esgoto, Gilka Machado e Barra Bonita, por vez ou outra se encontram paradas por problemas técnicos fazendo com que a Cedae despeje todo esgoto “in naturo” no guerreiro canal das Taxas.  

“Aqui no canal das Taxas, na parte do Barra Bonita, nós passamos pelo mesmo problema que o restante do Recreio. Existe um experimento de Biorremediação e já apresentamos essa solução das microbactérias, mas ainda se tem uma certa resistência da Prefeitura. Este experimento já foi testado aqui e teve um resultado bem positivo e só não rendeu mais devido ao impedimento do Poder Público em não abraçar a causa. Contudo, ainda sonhamos com o canal totalmente revitalizado e quem sabe uma área de lazer envolta! Reatando a vida útil de suas águas, até mesmo um pesque e pague com os peixes que voltarão... mas isso tudo são sonhos e planejamentos futuros", concluí William Nogueira.