Fone: (21) 2042-2955 -  redacao@jornaldabarra.com.br

Pin It

Por Ive Ribeiro e Marcelo Perillier

Entre os séculos XVI e XVIII, o mundo ocidental passou por profundas transformações na parte política, econômica, social e cultural. E religiosa também. Nesse período, a Igreja Católica pregava ser contra o lucro e o capitalismo, mas fazia justamente aquilo que condenava, com a venda de indulgências. Em 31 de outubro de 1517, o monge agostiniano alemão Martinho (ou Martin) Lutero pregou na porta da Igreja do Castelo de Winttenberg 95 teses, denunciando as práticas da Igreja.

A atitude de Lutero desencadeou a chamada Reforma Protestante, um movimento de críticas religiosas que abalou os dogmas do catolicismo, 463 anos depois do Cisma do Oriente, que separou a Igreja em Católica Romana (Ocidente) e Católica Ortodoxa (Oriente). Além de Lutero, o pensador João Calvino também elaborou documentos defendendo a fé fora dos parâmetros da Igreja, dizendo que o capitalismo não era algo condenatório, e sim a ganância das pessoas em quererem obter um lucro excessivo. Outro que também rompeu laços com o Vaticano foi o Rei Henrique VIII, da Inglaterra, fundando o Anglicanismo.

A resposta da Congregação foi rápida, com o Tribunal de Inquisição, criado para condenar os hereges; o Index, código nos livros considerados proibidos, ou seja, aqueles fora dos parâmetros ideológicos do catolicismo; e a Companhia de Jesus, fundada para obter fiéis fora da Europa. Além disso, fez séries reformas internas, que resultaram no refundamento das opiniões da Instituição perante a população.

Passados 500 anos do ato de transformação dos dogmas católicos, comemoração da Reforma Protestante lotou a Arena 1 do Parque Olímpico da Barra neste último sábado, dia 28. Membros e corais de Igrejas Presbiterianas de todo o Rio de Janeiro prestaram um culto repleto de cânticos e orações. A celebração teve inicio às 14h e terminou às 17h e 30, emocionando os milhares de evangélicos presentes.

O ponto alto da comemoração foi a união dos corais de Igrejas Presbiterianas de todo o Rio de Janeiro em um ‘Grande Coral’, que entoou cânticos como ‘Pureza no Sangue de Cristo’, ‘Carvalhos de Justiça’, Tua Palavra’ e ‘Oferta Agradável a Ti’.

Durante o culto, foram passadas diversas mensagens sobre a trajetória de Martinho Lutero, principal personagem da Reforma Protestante. Para Sandra da Silva, membra do coral da Igreja Presbiteriana da Fontinha, mais importante que a data é a oportunidade de louvar a Deus. “Tudo muito bonito. As músicas, a mensagem. Além de tudo ficou bem cheio, isso mostra a nossa vontade de glorificar Jesus Cristo”, disse.

O público chamou atenção também pela diversidade, não só pelas várias regiões presentes, já que compareceram Igrejas Presbiterianas de toda parte do Estado, desde a Baixada Fluminense até cidades na Região dos Lagos, mas também pelas varias faixa etárias. Vitória Azevedo, da Igreja Presbiteriana de Bento Ribeiro, tem 14 anos e disse ter ficado encantada com tantos fies cantando juntos. “Sensação única, é muito bom estar aqui”.