Fone: (21) 2042-2955 -  redacao@jornaldabarra.com.br

Pin It

“Formando faixas pretas dentro e fora do tatame”, essa é a ideia que permeia o Instituto Reação, desde sua criação. Com a ideia de reagir às diferenças sociais, utilizando o judô como meio de desenvolvimento de valores, educação e responsabilidade, promovendo a inclusão social e desenvolvimento humano através do esporte. O projeto começou em 2000 com a iniciativa do medalhista olímpico, Flávio Canto.

Junto com seu mestre Geraldo Bernardes que atuava em um projeto paralelo na Cidade de Deus, os dois resolveram unir suas ideias. Assim nasceu a ONG em 2003, embora ela tenha começado, não oficialmente, em 2000. Atualmente o Instituto conta com três programas sociais: Reação Olímpico, Reação Educação e Reação Escola de Judô e Lutas.  O Reação Olímpico tem o objetivo de desenvolver atletas para participarem de competições internacionais, maior exemplo do trabalho é a medalhista olímpica Rafaela Silva: “quando ela se matriculou em 2000, aos oito anos de idade, vi nela um grande potencial, pois tinha uma excelente coordenação e uma agressividade natural, com essas valências que eu acho que são importantes para o judô, vi que ela tinha um grande potencial, e que eu tinha um diamante bruto nas mãos”, comenta o mestre Geraldo Bernardes, professor do Campus R9, Taquara. O programa oferece treinamento de judô a cerca de 230 atletas a partir de 11 anos, em três centros de treinamento: Rocinha, Cidade de Deus e Deodoro.

Já o projeto Reação Educação oferece oficinas educacionais para as crianças, levando-as para sala de aula, assim desenvolvendo habilidades, tarefas e trabalhos para que eles também se desenvolvam na cultura e na educação, e o Reação Escola de Judô e Lutas proporciona aulas a mais de 1000 crianças e adolescentes entre 4 e 17 anos. O mestre comenta que o objetivo da instituição é fazer com que cada vez mais crianças venham para o projeto e se transformem através do esporte e da educação: “esse Bioma ‘esporte e educação’ é importante para que haja transformação na vida dessas crianças, que devido a esta oportunidade estão inseridos no mercado de trabalho. A Danieli Ferreira é um exemplo disto, ela estudou aqui e agora está inserida como professora do próprio projeto”.

O instituo Reação permeia o Rio de Janeiro em oito polos em diversas comunidades, como: Cidade de Deus, Taquara, Deodoro, Tubiacanga, Rocinha, Pequena Cruzada, Parque Olímpico e Gamboa. O projeto é grátis e basta se inscrever e aguardar a vaga.

“O Reação transformou minha vida”

A professora do Campus R9, Taquara, Danieli Ferreira garante ser uma prova do poder social que o esporte pode proporcionar na vida de cada um: “Eu comecei como aluna do projeto, fiz estágio e desde 2011 sou professora da escola de judô. O Reação é um transformador de vidas, pois quem está aqui dentro é transformado de alguma maneira, seja espiritual ou financeiramente. Quem está no projeto, de alguma forma, irá crescer na vida, direta ou indiretamente”.

A professora ainda ressalta os efeitos do Reação na sua maneira de viver e em seus planos futuros: “a minha perspectiva é crescer dentro do Reação, ser um dia uma coordenadora, ou algo diferente, mas que seja dentro do Reação, pois minha história toda é aqui no instituto. Uma história de vida que começou com o Instituto Reação”.