Poucas pessoas sabem, mas a Barra da Tijuca tem sim uma bandeira. O escritor Robson Letiere conta que a ideia de criar as flâmulas dos 161 bairros do Rio de Janeiro nasceu há 14 anos, por conta da curiosidade de seu filho em saber sobre a origem do local onde moravam. Este processo levou cinco anos para ser concluído e foi registrado no livro ‘Rio Bairros — de A a Z’.  

Para Robson, um fato que o chamou atenção foi descobrir que apenas Cordovil tinha uma proposta de bandeira em tramitação na Câmara Municipal. Isso fez com que ele realizasse um concurso de criação das bandeiras dos outros bairros cariocas: “apresentei esta ideia à prefeitura, mas foi ignorada com a justificativa de que ‘o carioca não se interessa por história de bairro, tampouco por bandeira’. Diante desta negativa, resolvi apresentar minhas propostas e provocar a Prefeitura sobre o pensamento equivocado do assunto”, afirma o escritor, que estudou por conta própria heráldica (ciência e arte de escrever brasões ou emblemas) e vexilologia (estudo de estandarte e insígnias), para desenhar as flâmulas deste projeto: “resolvi desenhar as minhas propostas de bandeiras, talvez, desta forma, conseguiria sensibilizar a Prefeitura sobre a importância histórica e cultural da realização do concurso. Politicamente falando, ledo engano. Porém, socialmente falando, a sociedade abraçou a ideia e a achou interessante”.

O livro foi confeccionado sem nenhuma ajuda financeira e sem estética editorial. Porém, Robson afirma que seu conteúdo é bem interessante, para quem quer entender um pouco sobre a região onde mora. Ele espera que esse trabalho inicie a produção de futuros projetos relacionados ao assunto: “ creio que uma pequena parcela da população, que tenha comprado o livro ou que tenha tido acesso ao seu conteúdo e suas propostas, possam ter sido sensibilizada para os objetivos deste trabalho, que para mim, são os pilares de sua sustentação: identidade, sentimento de pertencimento, cidadania e civilidade”.

A bandeira da Barra consiste nas cores azul, branco e vermelho, em referência a bandeira dos Estados Unidos, devido ao plano piloto de 1969, em inspiração no urbanismo do país norte-americano. No centro dela está o capacete do automobilista Ayrton Senna, em homenagem ao ídolo nacional de Fórmula 1, cujo nome batiza uma das avenidas mais famosas do bairro. Você pode encontrar este livro e entender ainda mais sobre a sua região, de segunda a quinta, na Rua Silva Rabelo, no Méier e sextas e sábados, na Praça Saens Pena, na feira de artesanato.