Redação

O Planetário do Rio, órgão integrado à Secretaria de Governo e Integridade da Prefeitura do Rio, está preparando uma programação cultural especial para as férias escolares. De terça (27/07) a domingo (01/08), o projeto Férias no Planetário vai trazer companhias de teatro e circo com espetáculos diários gratuitos, sempre ao ar livre.

Com curadoria e produção de André Garcia Alvez, ator, dramaturgo e pesquisador, diretor da trupe carioca Será o Benidito?!, o Férias no Planetário terá dez espetáculos divididos em seis dias, contemplando a arte de rua, o teatro popular, o circo, a comédia, cordéis, músicas, autores brasileiros e criações coletivas.

– São espetáculos para toda a família vivenciar a experiência PlanetaRio, uma oportunidade de vir para o Planetário e ocupar esse espaço, que é dos cariocas – afirma Gledson Machado, presidente da Fundação Planetário do Rio, que completa: – É um programa para cariocas de todas as idades e de todos os cantos da cidade.

Para o curador André Garcia, esse evento é a grande retomada do teatro e arte popular de rua no Rio de Janeiro. Ele ressalta que, desde março do ano passado, os artistas estão impedidos de se apresentar e ocupar os espaços públicos.

O Férias no Planetário seguirá todos os protocolos sanitários vigentes, entre eles ter no máximo três atores em cena, com peças encenadas em lugar aberto, lugares marcados para garantir o distanciamento entre o público, aferição de temperatura e oferta de álcool em gel para todos os participantes.

Na programação normal, todas as terças-feiras o Planetário da Gávea e o Museu do Universo têm entrada gratuita para visitações e sessões de cúpula. Para obter a gratuidade é necessário se inscrever no site planeta.rio/tercas-gratuitas/ (sujeito à lotação).

No Museu do Universo está em cartaz a exposição Da Gênese ao Apocalipse, que apresenta 38 meteoritos da coleção do Museu Nacional da UFRJ, entre eles o meteorito Santa Luzia, o segundo maior já encontrado no país.

 

PROGRAMAÇÃO

27 de julho

11h
Espetáculo “O Salto”
Será O Benedito?! Companhia de Circo Teatro e Rua

Sinopse: O Palhaço Migué Bruguelo Ditoefeito, personagem que tem no seu nome a síntese do espírito e malemolência do Brasil, entra, se apresenta e em seguida anuncia que vai dar 3 saltos, de olhos vendados, sem tirar o pé do banco. Mas até que se prepare, vende os olhos e dê os 3 saltos tudo pode acontecer.

Ficha Técnica:

Texto/Direção/Encenação – André Garcia Alvez

Direção Musical – Alessandro Persan

Op. de Som / Produção –Ludmilla Silva

Figurino – Raquel Theo

Cenário – Violeta Vilas Boas

Classificação – LIVRE

15h
Espetáculo “A Mágica do Riso”
com Patrick O Mágico.

O entretenimento inteligente, junta ilusionismo, comédia e simpatia transmitidas de forma interativa, tornando o espetáculo divertido e proporcionando uma agradável e inesquecível experiência para a plateia. A Mágica do Riso encanta as pessoas em um misto de curiosidade e mistério, causando diversas sensações: alegrias, surpresas e muita curiosidade. São estas características que tornam o efeito mágico do riso inesquecível.

Ficha Técnica:

Criação / Elenco – Patrick, o Mágico;

Direção Geral – Paola Hernandes.

Sonorização – Guilherme Limax;

Designer de Figurinos – Mágico Kassimirus e Paola Hernandes;

Adereços cênicos – Paulo Lima RJ e Mágico Kellys BH;

Figurinos – Ana Pinheiro e Carlos Valentin;

Classificação – LIVRE

 

28 de julho

11h
Espetáculo “A Mágica do Riso”
com Patrick O Mágico.

O entretenimento inteligente, junta ilusionismo, comédia e simpatia transmitidas de forma interativa, tornando o espetáculo divertido e proporcionando uma agradável e inesquecível experiência para a plateia. A Mágica do Riso encanta as pessoas em um misto de curiosidade e mistério, causando diversas sensações: alegrias, surpresas e muita curiosidade. São estas características que tornam o efeito mágico do riso inesquecível.

Ficha Técnica:

Criação / Elenco – Patrick, o Mágico;

Direção Geral – Paola Hernandes.

Sonorização – Guilherme Limax;

Designer de Figurinos – Mágico Kassimirus e Paola Hernandes;

Adereços cênicos – Paulo Lima RJ e Mágico Kellys BH;

Figurinos – Ana Pinheiro e Carlos Valentin;

Classificação – LIVRE

29 de julho
15h
Espetáculo “O Salto”
Será O Benedito?! Companhia de Circo Teatro e Rua

Sinopse: O Palhaço Migué Bruguelo Ditoefeito, personagem que tem no seu nome a síntese do espírito e malemolência do Brasil, entra, se apresenta e em seguida anuncia que vai dar 3 saltos, de olhos vendados, sem tirar o pé do banco. Mas até que se prepare, vende os olhos e dê os 3 saltos tudo pode acontecer.

Ficha Técnica:

Texto/Direção/Encenação – André Garcia Alvez

Direção Musical – Alessandro Persan

Op. de Som / Produção –Ludmilla Silva

Figurino – Raquel Theo

Cenário – Violeta Vilas Boas

Classificação – LIVRE

30 de julho
11h
Espetáculo “As Aventuras de Pedro Malasartes”
Cia TRIA Teatro Rua Circo.

A peça reúne quatro contos deste personagem da nossa cultura oral, que se popularizou devido às suas peripécias, sua astúcia e pelo seu particular senso de justiça. Nesse espetáculo selecionamos os contos: Pássaro raro; O cavalo alazão; Com a morte no saco e Como um sopro de vento. Nestes contos Malasartes enfrenta com muito humor e esperteza situações de injustiça, avareza e a exploração por parte dos mais poderosos.

TRIA Teatro Rua Circo

Ficha Técnica:

Atores – Ronaldo Camelo / André Garcia Alvez

Direção – André Garcia Alvez

Direção Musical – Roldão D’Pret Jr

Texto / Pesquisa – TRIA Teatro Rua Circo

Classificação – LIVRE

 

16h
Espetáculo “A Farsa do Bumba-Meu-Boi”
Grupo De 4 No Ato

Sinopse: Ópera popular que conta a história do boi de raça morto para saciar o

desejo da grávida Catirina, que quer comer sua língua. Com medo de Catirina

perder o filho, seu marido Mateus resolve matar o boi de seu patrão. Muita

confusão acontece até que o boi seja ressuscitado.

Ficha Técnica:

Elenco: Anderson Guimarães, Gilvan Balbino, Pâmela Vicenta

Texto e Direção: Gilvan Balbino

Cenografia: Gilvan Balbino e Pâmela Vicenta

Figurinos e Adereços: Pâmela Vicenta.

Músicas: Luciano Cintra e Gilvan Balbino

Classificação – LIVRE

 

31 de julho

11h
Espetáculo “Mix Dux”

Circo Dux

Mix Dux apresenta ao público um espetáculo que conta com toda a potência de mais de 14 anos de carreira da companhia Circo Dux. Roberto e Lucas desafiam as leis humanas, jogando facas, torcendo corpos, fazendo música a partir de panelas e outros objetos inusitados, demonstrando força, habilidade e coragem sempre com muito humor e palhaçada!

Ficha Técnica:

Criação – Circo Dux

Elenco – Roberto Rodrigues e Lucas Moreira

Figurino – Gabriela Marra

Direção dos Números – Tato Taborda, Márcio Libar, Sérgio Machado e Mágico Rossini

Classificação – LIVRE

 

16h
Espetáculo “As Aventuras de Pedro Malasartes”
Cia TRIA Teatro Rua Circo.

A peça reúne quatro contos deste personagem da nossa cultura oral, que se popularizou devido às suas peripécias, sua astúcia e pelo seu particular senso de justiça. Nesse espetáculo selecionamos os contos: Pássaro raro; O cavalo alazão; Com a morte no saco e Como um sopro de vento. Nestes contos Malasartes enfrenta com muito humor e esperteza situações de injustiça, avareza e a exploração por parte dos mais poderosos.

TRIA Teatro Rua Circo

Ficha Técnica:

Atores – Ronaldo Camelo / André Garcia Alvez

Direção – André Garcia Alvez

Direção Musical – Roldão D’Pret Jr

Texto / Pesquisa – TRIA Teatro Rua Circo

Classificação – LIVRE

 

01 de agosto

11h

Espetáculo “A Farsa do Bumba-Meu-Boi”
Grupo De 4 No Ato

Sinopse: Ópera popular que conta a história do boi de raça morto para saciar o

desejo da grávida Catirina, que quer comer sua língua. Com medo de Catirina

perder o filho, seu marido Mateus resolve matar o boi de seu patrão. Muita

confusão acontece até que o boi seja ressuscitado.

Ficha Técnica:

Elenco: Anderson Guimarães, Gilvan Balbino, Pâmela Vicenta

Texto e Direção: Gilvan Balbino

Cenografia: Gilvan Balbino e Pâmela Vicenta

Figurinos e Adereços: Pâmela Vicenta.

Músicas: Luciano Cintra e Gilvan Balbino

Classificação – LIVRE

16h

Espetáculo “Mix Dux”

Circo Dux

Mix Dux apresenta ao público um espetáculo que conta com toda a potência de mais de 14 anos de carreira da companhia Circo Dux. Roberto e Lucas desafiam as leis humanas, jogando facas, torcendo corpos, fazendo música a partir de panelas e outros objetos inusitados, demonstrando força, habilidade e coragem sempre com muito humor e palhaçada!

Ficha Técnica:

Criação – Circo Dux

Elenco – Roberto Rodrigues e Lucas Moreira

Figurino – Gabriela Marra

Direção dos Números – Tato Taborda, Márcio Libar, Sérgio Machado e Mágico Rossini

Classificação – LIVRE

Folhapress

A 74ª edição do Festival de Cinema de Cannes desembolsou mais de US$ 1 milhão, cerca de R$ 5,2 milhões na cotação desta quarta (21), para cobrir os custos de testes de Covid-19, disponibilizados para os 28 mil participantes.

Segundo a Variety, os membros da União Europeia poderiam contornar os procedimentos se apresentassem um comprovante de vacinação, no entanto, não havia garantias de que os convidados não ficariam doentes, em decorrência da variante Delta.

O festival ainda não teve relatos de contaminação em massa entre as pessoas que frequentaram os espaços nas duas semanas. "Foi um festival maravilhoso e também excepcional", disse Thierry Frémaux, diretor artístico do evento, para o site.

O encerramento do evento aconteceu em 17 de julho, e Frémaux assegurou que "conseguimos sair na hora certa e em condições que foram quase normais graças a um protocolo inteligente e responsável". O festival reuniu grandes nomes do cinema.

Adam Driver, 37, viajou de avião para a França para a estreia mundial do musical da noite de abertura, "Annette". A comédia "The French Dispatch" de Wes Anderson, foi aplaudida de pé por nove minutos por seu elenco, incluindo Timothée Chalamet, Bill Murray e Tilda Swinton.

Spike Lee, 64, o primeiro presidente negro do júri do festival viralizou por revelar acidentalmente o vencedor da palma de ouro, o filme "Titane" (2021), um drama provocativo em que uma mulher fica grávida de um carro no topo do Cannes Awards.

Além disso, no festival, a atriz britânica Jodie Turner-Smith, 34, teve uma surpresa nada agradável durante sua participação no Festival de Cannes. Ela, que foi promover o filme "After Yang", foi vítima de roubo no quarto de hotel em que estava hospedada na cidade francesa.

"Não pensei que passaria 2,5 horas na delegacia de polícia no meu último dia em Cannes, mas aqui estamos", lamentou a atriz dia 11 de junho nas redes sociais. De acordo com o assessor de imprensa da atriz, o roubo ocorreu no dia 9.

Segundo fontes da agência de notícias francesa Nice-Matin, o valor das joias roubadas é de dezenas de milhares de euros. Não foram encontrados sinais de arrombamento no quarto. A atriz é embaixadora da Gucci, sendo justamente uma das responsáveis por promover as joias da grife de luxo. Durante o festival, ela estava usando apenas peças da marca.

Na quinta-feira (8), ela cruzou o tapete vermelho com algumas delas. Na ocasião, ela estava com um colar de ouro amarelo, pulseira e brincos com detalhes em diamantes, além de um anel que tinha uma tanzanita em formato de coração.

Este não é o primeiro roubo de joias registrado no Festival de Cannes. Em 2013, peças avaliadas em US$ 1,4 milhão (mais de R$ 7 milhões), que seriam emprestadas a diversas estrelas durante o evento, foram subtraídas do cofre de um hotel.

Turner-Smith estourou recentemente no filme "Queen & Slim" (2019), no qual contracena com Daniel Kaluuya. Ela também está escalada para interpretar a personagem Ana Bolena em uma minissérie para a TV britânica.

Redação

A Hanoi Editora lança no dia 17 de julho de 2021 o livro Missão Havana, de Rodrigo Bittencourt. A obra, que tem textos de Arthur Xexéo na orelha e Cacá Diegues na quarta capa, apresenta uma trama explosiva de ação e romance protagonizada pelo cineasta Roberto Bandite que, de férias em Cuba com o amigo Maurício Duke, se apaixona de forma arrebatadora pela dissidente Yasmín e se envolve com a "Geração Y", grupo que atua para denunciar a opressão do regime castrista.

"Missão Havana” é um desabafo. É uma denúncia. Havana não é a que a gente se habituou a ver nos cadernos de turismo ou nas páginas de editorias internacionais. É uma tomada de posição. Rodrigo critica os extremos da esquerda e da direita, mas sem perder a ternura jamais. Sempre que pode, inclui na trama uma trilha sonora que vai do rock de Kurt Cobain ao romantismo derramado de Bethânia.” (Arthur Xexéo)

"Rodrigo Bittencourt é um autor moderno, manifestando-se por meio de diferentes expressões literárias, audiovisuais e de cultura oral. Seus livros e filmes são um exemplo de sua exposição a todos os aspectos da realidade, transformando essa disposição em pensamento público e obra de arte.” (Cacá Diegues)

Missão Havana conta ainda, na versão em audiolivro, com vozes de Zeca Baleiro, Valmir Moratelli, Thais Belchior, Mel Lisboa, Guta Ruiz, Guilherme Weber, Gabriela Toloi, Emílio Orciollo Netto, Caetano O'Maihlan e Alexandre Mello.

 

Folhapress

A 28ª edição do Prêmio Multishow já tem data para acontecer: será dia 8 de dezembro, no Rio de Janeiro, sob o comando pela quinta vez de Tatá Werneck e pela segunda vez de Iza.

Iza, inclusive, já ganhou um troféu na premiação. Foi o de melhor música com "Pesadão", em 2018. Agora, ela repete a dose de 2020 para comandar a festa que em 2021 terá o conceito que explorará a realidade aumentada.

"Sabemos da importância do prêmio para o mercado, para os artistas e para o público. A cada ano procuramos inovar e surpreender. Nesta edição, a ideia é que todos sejam transportados para um novo mundo por uma noite. Um mundo de música", explica Tatiana Costa, diretora do Multishow.

O conceito vai permear todos os espaços da premiação. Do pré-show, que vai funcionar como uma estação de transporte para o mundo da música, até o conteúdo digital revelado por Diva Depressão. O palco dos shows terá muita tecnologia.

A cerimônia de 2021 ainda contará com a participação especial de Xuxa que fará uma entrada triunfal a bordo de sua icônica nave. A Rainha dos Baixinhos vai entregar o troféu ao vencedor de uma das categorias e interagir com as ativações digitais.

Além dela, a vencedora do Big Brother Brasil 21, Juliette Freire, será outra surpresa. A paraibana vai apresentar uma das categorias.

"O Multishow tem um papel fundamental na evolução da cena musical do país, sempre incentivando novos talentos e sendo o palco de grandes artistas. Há 27 anos o Prêmio Multishow ajuda na construção desta história e movimenta uma vez por ano toda a indústria da música", finaliza Tatiana.

Leonardo Sanchez (Folhapress)

Queimadas ocorridas na fronteira entre Paraguai e Mato Grosso do Sul, somadas a uma frente fria, levaram o céu de São Paulo a uma escuridão, em agosto de 2019. Naquela mesma tarde, o fenômeno causou um efeito oposto em Jasmin Tenucci. Ao ser arrebatada por aquela densa camada de nuvens e fumaça cinzentas, a mente da diretora se iluminou e ela decidiu escrever.

Daí surgiu o roteiro de "Céu de Agosto", filme que acaba de lhe garantir uma menção especial no Festival de Cannes -a Palma de Ouro da seção foi para a chinesa Tang Yi. Ele foi um dos três curtas-metragens brasileiros exibidos no evento cinematográfico, o mais importado mundo, ao lado de um par de longas nacionais e outras coproduções.

Em seus 16 minutos de duração, "Céu de Agosto" acompanha uma enfermeira grávida que, durante um chá de bebê na laje, é encoberta pela escuridão que toma o céu paulistano de assalto. A cena é digna de filme de apocalipse, e a ansiedade que recai sobre a antes não religiosa Lucia logo a impele para uma igreja neopentecostal.

Foi realmente por acaso que o filme aconteceu. Tenucci tinha acabado de conseguir verba para um outro curta-metragem quando teve a ideia para "Céu de Agosto". Ela então persuadiu seus financiadores a reinvestir o dinheiro no novo projeto -e a decisão, depois da passagem pela costa francesa, não poderia ter sido mais acertada.

"Ter sido selecionada já havia sido uma honra enorme. Foi realmente uma surpresa e a minha primeira alegria foi saber que poderia exibir o filme na tela grande", diz Tenucci, num momento em que muitos cineastas têm limitado suas obras às telinhas da TV e do streaming por causa da pandemia. O Festival de Cannes, que chegou a ser cancelado no ano passado, pôde nesta edição reunir seus espectadores em salas de cinema.

"Eu achei que jamais veria 'Céu de Agosto' na tela grande, e ir para Cannes significava ainda ter a certeza de que o filme poderia ser muito mais visto, discutido, pensado. Só por isso já foi um privilégio enorme. O reconhecimento com a menção também é muito bom. Eu gosto de tomar cuidado com isso porque tem muito filme brasileiro excepcional que não entra nesses festivais por diversas razões, mas, claro, é uma honra."

Tenucci estava nos Estados Unidos às vésperas do evento e voou de lá, já 100% imunizada, diretamente para a França. Sua equipe, no entanto, estava no Brasil, sem vacina, mas conseguiu o que ela chama de um "passe de urgência" para viajar e participar do festival presencialmente. Lá, a cada 48 horas, era necessário fazer teste para a Covid-19.

Durante a passagem por Cannes, Tenucci arquitetou, junto com as equipes de outras produções brasileiras em exibição, um protesto após a sessão de "O Marinheiro das Montanhas", do cearense Karim Aïnouz. "Brasil: 530 mil mortos. Fora, gângster genocida", lia-se na faixa empunhada pelo grupo, em referência às mortes causadas pelo coronavírus no país.

"A gente tentou fazer o máximo de barulho lá. Qualquer atenção ajuda, faz uma pressão", diz Tenucci sobre o ato, emendando uma crítica às dificuldades de se financiar um filme sob a gestão de Jair Bolsonaro, cujo governo vem travando a liberação de verbas para o audiovisual e patrulhando os temas abordados em projetos feitos com recursos públicos.

"Céu de Agosto" fala um pouco sobre esse sentimento de frustração e paralisação. O apocalipse que se forma no céu de São Paulo em cena nada tem a ver com o fim dos tempos bíblico. Ele representa, Tenucci diz, um sentimento que se apoderava de todo o Brasil à época da escrita do roteiro.

"Uma fumaça negra tinha viajado milhares de quilômetros e tomado o céu da maior metrópole do país. Isso me pareceu muito simbólico, era um sentimento de um Brasil que já naquela época passava por dias escuros. A minha personagem se move, nesse caso em direção à igreja, num momento em que nós todos estávamos paralisados de tensão."

Formada pela Escola de Comunicação e Artes da USP, a diretora espera, agora, que a láurea em Cannes a ajude a tirar seus próximos dois projetos, seus primeiros longas, do papel. Um deles fala sobre "uma mulher em busca da menor baleia do mundo". O outro é justamente uma expansão do universo de 16 minutos de "Céu de Agosto", este produzido pelas brasileiras AmorDoch e Substância Filmes, com recursos também estrangeiros. A ideia é reaproveitar premissa e elementos vistos no curta premiado em Cannes, mas criar uma nova trama a partir deles. No cerne do roteiro estará o relacionamento de duas mulheres, uma que está entrando na igreja e outra, saindo.

Religiosidade sempre foi um tema que interessou Tenucci. Antes de "Céu de Agosto", ela desenvolveu pesquisa sobre o tema no Brasil, principalmente sobre a crescente presença das igrejas neopentecostais na sociedade.

"A população que pertence a essas igrejas hoje é muito grande e quem está fora dela a entende muito pouco. E eu acho que o cinema também a representa de uma maneira que muitas vezes me incomoda. A gente não consegue olhar para essas igrejas de maneira horizontal, discutir e dialogar com isso", diz a diretora, que não é religiosa.

Para ela, existe um certo elitismo entre boa parte da população que, também por razões históricas, vê de forma negativa e rasa essa parcela de fé evangélica. A presença dessas igrejas, na sociedade e em seu curta, é muito mais complexa do que acreditamos, afirma. A próxima parada de "Céu de Agosto" é na mostra competitiva do Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo - Curta Kinoforum, que começa no dia 19 do mês que vem.

Folhapress

A cantora Pabllo Vittar, 27, anunciou nesta segunda-feira (12) que irá retornar aos palcos internacionais e confirma que irá realizar uma turnê passando pelos Estados Unidos e Europa em 2022. Shows no Brasil e na América Latina deverão ser anunciados nos próximos meses.

A artista teve a agenda de shows paralisada devido à pandemia do coronavírus e afirmou que só voltaria a fazer apresentações presenciais com a população vacinada, por isso as datas da América Latina serão estabelecidas conforme o avanço do controle para com a Covid-19 e imunização da população.

Recentemente, a artista lançou seu quarto álbum, chamado "Batidão Tropical". O trabalho tem influências de ritmos do norte e nordeste e fez com que Vittar entrasse no ranking mundial de maiores estreias do Spotify, ao lado de nomes como os dos americanos Tyler, The Creator e Doja Cat.

O novo álbum da cantora, "Batidão Tropical", aparece na sexta posição. A lista foi compartilhada pelo Spotify Charts dia 28 de junho e diz respeito aos álbuns que foram lançados no final de semana dos dias 26 e 27. Não há outros brasileiros na lista.

Na mesma plataforma de áudio, todas as músicas do álbum entraram no top 50 de músicas mais tocadas. Com isso, "Batidão Tropical" se tornou a maior estreia de um álbum brasileiro no Spotify Brasil em 2021, perdendo apenas uma posição entre todos os álbuns do mundo todo.

Em entrevista exclusiva ao jornal Folha de S.Paulo a cantora contou que está triste com os rumos do país, mas com tesão de usar sua música para tentar alegrar um pouco a vida do brasileiro. "A gente vive este momento em que o país inteiro está muito triste, tem um monte de coisa ruim acontecendo", diz.

"Queria trazer um afago e exaltar os ritmos com os quais eu cresci, com os quais eu passei a minha adolescência." Apesar da saudade das aglomerações geradas pelo público em seus shows, ela sabe que isso só será possível quando a Covid-19 estiver controlada. "Espero que passe logo porque o babado é a gay em cima do palco fazendo o que ela mais sabe fazer", afirma. "É isso que eu quero de volta."
*
Confira abaixo as datas da turnê:
TURNÊ 2022
​14/04: San Francisco, Folsom
19/04: Portland, Revolution Hall
20/04: Seattle, Neptune Theatre
21/04: Vancouver, Celebrities Nightclub
25/04: Chicago, The Metro
26/04: Toronto, Music Hall
28/04: Boston, Paradise Rock Club
30/04: Washington, 9:30 Club
01/05: New York, Terminal 5
26/05: Dublin, National Stadium
31/05: Warsaw, Progresja Music Zone
2/06: Milan, Circolo Magnolia
3/06: Barcelona, Primavera Sound
5/06: London, Electric Brixton
7/06: Amsterdam, Melkweg
8/06: Paris, FVTVR
11/06: Porto, NOS Primavera Sound